Você sabia? Pela primeira vez na história, arbitragem da Copa do Mundo contará com mulheres

Seis oficiais mulheres foram selecionadas para participar do maior torneio de futebol do planeta

O futebol é um esporte tradicionalmente dominado pelos homens. Porém, aos poucos, as coisas começam a mudar. Recentemente, a FIFA anunciou os nomes dos oficiais que serão responsáveis pela arbitragem na Copa do Mundo de 2022, no Qatar. A grande novidade foi a presença de mulheres no quadro.

Esse será o primeiro mundial masculino organizado pela entidade que contará com arbitragem feminina, o que representa um avanço interessante na igualdade no esporte. O mais interessante é que o Brasil será representado, já que uma assistente do país foi escalada pela FIFA para estar na Copa.

FIFA escalou seis mulheres entre os oficiais da Copa de 2022

Ao todo, seis profissionais foram selecionadas para participar da Copa do Mundo, no Qatar. São três árbitras, que terão a oportunidade de comandar jogos das principais seleções do mundo, e três assistentes.

Uma delas é Neuza Ines Back, assistente brasileira que faz parte da FIFA e participa constantemente de jogos da Série A do Brasileirão. A lista também conta com árbitras de três continentes diferentes — a diversidade é outro ponto alto do anúncio.

Conheça as árbitras que estarão no Mundial:

  • Stephanie Frappart (Árbitra – França)
  • Salima Mukansanga (Árbitra – Ruanda)
  • Yoshimi Yamashita (Árbitra – Japão)
  • Karen Díaz Medina (Assistente – México)
  • Kathryn Nesbitt (Assistente – Estados Unidos)
  • Neuza Ines Back (Assistente – Brasil)

Elas fazem parte de um quatro de 36 árbitros, 69 assistentes e 24 operadores do VAR que foram escolhidos pela FIFA.

Além de Neuza, o Brasil será representado pelos árbitros Wilton Pereira Sampaio e Raphael Claus e pelos auxiliares Bruno Boschilia, Bruno Pires, Danilo Simon e Rodrigo Figueiredo.

Árbitras tem história de pioneirismo no futebol

As três árbitras femininas não foram escolhidas por acaso. Na verdade, elas conquistaram o seu espaço nos últimos anos e quebraram barreiras nas competições masculinas internacionais.

Mukansanga, por exemplo, foi escolhida para apitar um jogo da Copa Africana de Nações em 2022, entre Zimbábue e Guiné. Ao mesmo tempo, Yamashita foi a primeira mulher a comandar um jogo da Liga dos Campeões Asiática.

A francesa talvez seja a figura mais conhecida da lista, porque ela tem experiência em competições importantes na Europa. Em 2020, Frappart apitou Juventus x Dínamo de Kiev, tornando-se a primeira mulher a ser oficial de um jogo na competição masculina.

Frappart apitou a final da Copa da França

Além da Champions League, Stephanie Frappart foi também a primeira árbitra mulher a apitar um jogo da elite francesa, em 2019. Mais recentemente, ela foi escalada para a final da Copa da França.

Na partida, o Nantes venceu o Nice por 1 a 0, no Stade de France, e quebrou um jejum de 21 anos sem títulos. Frappart teve participação decisiva, porque marcou o pênalti convertido pelo time campeão.

Sendo assim, a francesa é a mais cotada para participar de jogos importantes na Copa do Mundo. Neste momento, é difícil imaginar uma mulher apitando uma decisão, mas o primeiro passo foi dado.

Quem é Neuza Ines Back, a representante brasileira na Copa

A representante brasileira na Copa do Mundo será Neuza Ines Back, assistente de 37 anos. Natural do município de Saudades, em Santa Catarina, é graduada em Educação Física e mora atualmente em Jundiaí-SP.

Neuza faz parte do quadro da FIFA desde 2014 e é uma das profissionais mais experientes do país. Ao todo, são mais de 100 participações em jogos da Série A do Brasileirão, além de Copa do Brasil e Libertadores.

Histórico de participações em competições internacionais

Neuza Ines Back tem um currículo de respeito no futebol feminino. Ela foi escolhida para as duas últimas edições das Olimpíadas (2016 e 2020), além de ter participado da Copa do Mundo Feminina de 2019, na França.

Essa não será a sua primeira grande competição masculina, já que esteve no Mundial de Clubes em 2020, conquistado pelo Bayern de Munique. Ao lado de Edina Alves Batista, ela participou da disputa do quinto lugar.

Apesar disso, a Copa do Mundo será o grande palco da consagração de Neuza e as outras assistentes mulheres que, enfim, vêm conquistando o seu espaço no futebol.

Artigos Relacionados